Aprendizagens e histórias de vida da classe trabalhadora portuguesa: a importância das emoções, das práticas e da reflexão identitária-biográfica

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Pedro Abrantes

Resumo

O presente artigo discute os conceitos de educação formal, informal e não formal, estabelecendo um diálogo entre diferentes filões teóricos e as autobiografias de 53 adultos, elaboradas no âmbito de processos de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências, enquadrados na Iniciativa Novas Oportunidades. Desta forma, aprofundamos três mecanismos centrais nos processos de aprendizagem ao longo da vida destes adultos – as emoções, as práticas e a reflexão identitária-biográfica – observando como, em cada um deles, se combinam (ou desentendem) os processos de educação formal, informal e não formal. Algumas implicações destes resultados são extraídas para as práticas educativas, tanto escolares como não escolares. Concluímos com a ideia de que a educação de adultos, sobretudo quando recorre a métodos biográficos, pode ser um espaço em que se articulam aprendizagens formais e informais.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Abrantes, P. (2014). Aprendizagens e histórias de vida da classe trabalhadora portuguesa: a importância das emoções, das práticas e da reflexão identitária-biográfica. Medi@ções, 2(2), 98–114. Obtido de https://mediacoes.ese.ips.pt/index.php/mediacoesonline/article/view/69
Secção
Dossier