A Gestão das Escolas Através do Coordenador

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Abílio Ferreira
Agostinho Bucha

Resumo

Com este artigo pretende-se discutir a emergência do coordenador de departamento, um gestor intermédio que ocupa um papel central na escola atual. A uma cultura de escola de mérito deve corresponder mais responsabilização e valorização dos atores educativos, contribuindo para a melhoria da escola e dos resultados escolares. A crescente autonomia conferida às escolas requer uma gestão isomórfica no discurso e na prática, onde emergem lideranças fortes, eficazes e eficientes para responder aos desafios da sociedade de hoje. 


Para perceber o papel e as competências do gestor escolar intermédio na orientação de um departamento curricular num Agrupamento de Escolas realiza-se esta investigação de forma a saber “como é que as competências do gestor escolar intermédio são validadas no seio da equipa?”. É um estudo de caso, descritivo e exploratório e opta-se por uma metodologia mista, de cariz qualitativo e quantitativo e nele participam doze professores e três coordenadoras de departamento. Os dados são recolhidos através da administração de um questionário aos professores, de entrevistas semiestruturadas às coordenadoras e de documentos oficiais. Os dados qualitativos são submetidos à análise de conteúdo e os dados quantitativos são tratados estatisticamente recorrendo-se ao Excel.


O departamento é organizado, funcional e com uma constituição adequada e tem canais de comunicação. O coordenador exerce as funções à luz da lei, num quadro de valorização e colaboração mútuas, deliberando-se em conjunto. É um líder democrático, mas subsistem focos de índole burocrática e nos grupos disciplinares emerge a liderança pedagógica. Gere o cargo com autoridade, de forma democrática e participativa e emergiu o gestor de caso de alunos. A supervisão apoia-se no acompanhamento da atividade dos docentes, através do delegado de grupo. O currículo, as aprendizagens e a melhoria da escola permitem edificar a avaliação do desempenho docente sustentada na apreciação do relatório de autoavaliação do docente. Os constrangimentos são a supervisão, a avaliação de desempenho, a burocracia bem como a resistência dos docentes à mudança. Perspetivam-se funções ao nível da liderança, supervisão pedagógica, educação inclusiva e na gestão democrática, pedagógica, colaborativa e mediadora.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Ferreira, A., & Bucha, A. . (2022). A Gestão das Escolas Através do Coordenador . Medi@ções, 9(2), 62–85. Obtido de https://mediacoes.ese.ips.pt/index.php/mediacoesonline/article/view/318
Secção
Dossier
Biografias Autor

Abílio Ferreira, Inspeção Geral da Educação e Ciência

Licenciado em Biologia e Geologia (ensino de), pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, com mestrado em Administração e Gestão de Escolas pelo Instituto Politécnico de Setúbal. Lecionou as disciplinas de Ciências Naturais do Ensino Básico, de Biologia e Geo-logia do 10.º e 11.º anos e de Biologia do 12.º do Ensino Secundário tendo desem-penhado cargos de diretor de turma, representante de disciplina e de presidente do Conselho Geral. Atualmente desempenha funções de inspetor na Inspeção-Geral de Educação e Ciência, em período experimental. É coautor dos artigos intitulados “A importância do papel do diretor de turma en-quanto gestor do currículo”, publicado em 2012, e “The role of the Coordinator Department: Leadership and Supervision”, publicado em 2020.

Agostinho Bucha, Escola Superior de Ciências Empresariais do Instituto Politécnico de Setúbal

Doutor em Gestão de Escolas pela Universidade de Évora, Mestre em Gestão de Escolas pela Universidade Católica Portuguesae Licenciado em Organização e Gestão de Empresas pela Universidade Técnica de Lisboa. É pro-fessor no departamento de Economia e Gestão na Escola Superior de Ciências Em-presariais (ESCE) do Instituto Politécnico de Setúbal (IPS), sendo cocoordenador do Mestrado de Gestão e Administração de Escolas no IPS, uma parceria entre a ESCE e a Escola Superior de Educação (ESE). Exerceu funções na área financeira de diversas empresas. É responsável por várias unidades curriculares nas áreas de Gestão, Projetos Sociais e Gestão de Escolas, tendo também lecionado em outras escolas. É autor de livros, capítulos de livros e vários artigos publicados em jornais e revistas nacionais e internacionais, tendo participado em vários projetos internacionais.