Multiculturalismo liberal: fim do caminho. E agora?

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Carlos Manuel Cardoso

Resumo

Nos últimos anos, em diversos países ocidentais, a multiculturalidade tem estado cada vez mais afastada dos discursos políticos e, em alguns casos, é neles hostilizada através de mensagens de teor xenofóbico. Factos como estes são reveladores de um processo de fragilização das políticas para a promoção da igualdade cultural, étnica e racial. Este recuo multicultural ocorre em contradição com algumas evidências: a diversidade é uma característica definitiva, crescente e indispensável nas nossas sociedades; as condições dos imigrantes e dos refugiados, a par com situações de xenofobia e racismo, têm vindo a agravar-se. O recuo do compromisso político-institucional face às condições daqueles grupos e de outras minorias étnico-culturais, é o pressuposto deste artigo. Nele, procuramos enumerar, reflectir e discutir alguns aspectos geradores da actual situação das políticas multiculturais. Não se trata de defender a continuidade do multiculturalismo liberal como o temos conhecido, mas sim a necessidade de reconfigurar e relançar novos compromissos institucionais para a inclusão cultural, étnica e racial. Para isso, adquirem particular importância os diferentes, mas convergentes, contributos da investigação, da educação, dos movimentos sociais em favor dos direitos humanos e dos media.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Cardoso, C. M. (2017). Multiculturalismo liberal: fim do caminho. E agora?. Medi@ções, 5(1), 6–21. Obtido de https://mediacoes.ese.ips.pt/index.php/mediacoesonline/article/view/156
Secção
Dossier
Biografia Autor

Carlos Manuel Cardoso, ESE de Lisboa

Professor coordenador, aposentado