Educação e Diversidade Linguística em Portugal

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Paulo Feytor Pinto

Resumo

Desde os últimos anos do século XX, a diversidade de línguas vivas disponíveis no currículo dos ensinos básico e secundário tem vindo paulatinamente a aumentar. Nas décadas anteriores, além do português, as outras línguas aprendidas antes do ensino superior eram o inglês, o francês e o alemão, todas disponíveis como primeira língua estrangeira, a partir do 5º ano.

O processo de abertura à diversidade linguística encetou-se com a introdução do espanhol, como segunda língua estrangeira, no 3º ciclo do ensino básico, em 1997. Nos anos seguintes, as novas línguas introduzidas no currículo foram duas línguas originárias de Portugal, a língua gestual portuguesa (LGP) e o mirandês. Já na segunda década do século XXI, o mandarim está a ser aprendido por centenas de alunos do 1º ciclo do ensino básico e do ensino secundário.

A introdução no currículo de duas línguas estrangeiras, espanhol e mandarim, e de duas línguas autóctones, LGP e mirandês, parece ser um caso paradigmático da influência que fatores externos podem ter sobre o funcionamento de um sistema ecolinguístico. Parece ainda evidente que a oferta destas línguas não se insere numa política de educação linguística consistente, mas é antes um conjunto de respostas a problemas linguísticos independentes.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Pinto, P. F. (2017). Educação e Diversidade Linguística em Portugal. Medi@ções, 5(1), 36–43. Obtido de https://mediacoes.ese.ips.pt/index.php/mediacoesonline/article/view/148
Secção
Dossier