Memórias da banda do mar e da banda da terra: equipamentos religiosos, civis e militares na planta de Setúbal de 1793

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Maria João Pereira Coutinho
http://orcid.org/0000-0001-9323-3345
Inês Gato de Pinho
http://orcid.org/0000-0003-1847-4602

Resumo

O estudo apresentado parte da análise da planta da vila de Setúbal de 1793, do engenheiro militar Diogo Correia da Mota, e tem por objectivo identificar e dar a conhecer o património edificado aí representado. As informações subtraídas deste instrumento cartográfico cruzadas com notícias resgatadas do fundo manuscrito de Almeida Carvalho, não só nos permitem fazer uma nova leitura desta planta, como possibilitam um conhecimento mais alargado da malha urbana da zona ribeirinha de Setúbal.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Pereira Coutinho, M. J., & Gato de Pinho, I. (2021). Memórias da banda do mar e da banda da terra: equipamentos religiosos, civis e militares na planta de Setúbal de 1793. Medi@ções, 9(1), 12–26. Obtido de http://mediacoes.ese.ips.pt/index.php/mediacoesonline/article/view/285
Secção
Dossier
Biografias Autor

Maria João Pereira Coutinho, Instituto de História da Arte - Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade NOVA de Lisboa

Maria João Pereira Coutinho é doutorada em História (Arte, Património e Restauro) e investigadora contratada do IHA / NOVA FCSH, onde desenvolve a investigação Arquitectura, escultura e ornamento: transferências artísticas no contexto das obras de pedraria da Assistência Portuguesa (S.I.) nos sécs. XVI-XVIII, financiada por fundos nacionais através da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, no âmbito da Norma Transitória – [DL 57/2016/CP1453/CT0046]. É ainda docente convidada no curso de 1.º ciclo de História da Arte da mesma instituição.

Inês Gato de Pinho, CiTUA - Center for Innovation in Territory, Urbanism, and Architecture, Instituto Superior Técnico, Universidade de Lisboa

Inês Gato de Pinho é doutoranda em Arquitectura. Desenvolve a tese de douto-ramento Modo Nostro. A especificidade da Arquitectura dos colégios da Companhia de Jesus na Província Portuguesa. Os séculos XVII e XVIII (SFRH/BD/110211/2015) no CiTUA/Instituto Superior Técnico/Universidade de Lisboa, apoiada pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia com financiamento comparticipado pelo Fundo Social Europeu e por fundos nacionais do Ministério da Educação e da Ciência.