A “mulher fátua” e Dona Flávia Domitila, dois percursos femininos na Sines do século XVIII

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Sandra Patrício

Resumo

Neste artigo seguimos em paralelo duas mulheres do século XVIII, em Sines, entrevistas através dos registos paroquiais de batismo e casamento. A primeira é Catarina, adjetivada como “mulher fátua”, e a segunda Dona Flávia Domitila Mascarenhas de Almeida. O objetivo é observar a relação de duas mulheres de origens sociais diversas com o estado conjugal (casamento ou estado de solteira) e as suas consequências para a sua sobrevivência e honorabilidade na sociedade da Época Moderna, no litoral alentejano português.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Patrício, S. (2021). A “mulher fátua” e Dona Flávia Domitila, dois percursos femininos na Sines do século XVIII. Medi@ções, 9(1), 3–11. Obtido de http://mediacoes.ese.ips.pt/index.php/mediacoesonline/article/view/276
Secção
Dossier
Biografia Autor

Sandra Patrício, Câmara Municipal de Sines

Sandra Cristina Patrício da Silva licenciou-se em História na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra em 2004, instituição onde concluiu o Curso de Especialização em Ciências Documentais, Arquivo, em 2006. É mestre em Ciências da Informação e da Documentação na Universidade de Évora, sob o tema da Avaliação de Documentos de Arquivo, com a dissertação O Que o Estado Português Quis Guardar em 2011. Obteve o grau de Doutor na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, em 2018, com a tese Sistemas de informação das administrações civis no concelho de Sines: 1655-1855. Desde 2005 é responsável pelo Arquivo Municipal de Sines, onde coordena a organização, em curso, do sistema de arquivos da Câmara Municipal de Sines (Arquivo Geral, Arquivo Histórico, Arquivo dos Serviços Técnicos), de forma a possibilitar a gestão integrada de arquivos correntes e definitivos. Tem vindo também a coordenar a elaboração dos instrumentos de descrição do Arquivo Municipal de Sines, acessíveis no sítio electrónico da Câmara Municipal de Sines e o Serviço Educativo do Arquivo Municipal, integrado no Centro de Artes de Sines. É ainda, desde 2018, coordenadora do Grupo de Património e Cultura da associação COMSines.